PARSUK Travel Grants ’17 | Resultados

Temos o prazer de anunciar os resultados desta edição piloto das PARSUK Travel Grants, uma iniciativa que conta com o apoio da Caixa Geral de Depósitos – e da Associação de Apoio a Mulheres com Patologia Mamária no caso de bolsas na área do Cancro.

As contempladas são:

  • Caixa Geral de Depósitos/ PARSUK International Travel Grant 2017  – Inês Ramos, Post-Doctoral Researcher, Sheffield Hallam University. 

No final de Junho irá deslocar-se a Veneza para apresentar o seu trabalho no encontro da ‘Italian Association of Neuroimmunology’ e na ‘European School of Neuroimmunology’ intitulado ‘Revealing underlying differences of NAWM from primary and secondary progressive MS’.

  • Caixa Geral de Depósitos/ PARSUK Domestic Travel Grant 2017  – Sofia Amaral, Senior Research Officer-Post-Doc, University of Essex.

No final de Junho irá deslocar-se a Glasgow para apresentar o seu trabalho no encontro anual da ‘European Society for Population Economics’ intitulado “Unmarried men and violence against women: the long-run effects of sex selection in India”’.

  • AMPM/ PARSUK International Travel Grant 2017 – Catarina Veiga, Research Associate, University College London.

Em Setembro irá deslocar-se a San Diego para apresentar o seu trabalho no encontro anual da ‘American Society for Radiation Oncology’ intitulado ‘Quantification of radiotherapy-induced diaphragmatic changes using serial CT imaging’.

Parabéns Inês, Sofia e Catarina!

Obrigado a todos os candidatos e ao júri que participou do processo de selecção:

  • Bernardo Ivo-Cruz – Global Managing Partner & CEO na True Bridge Consultancy
  • João Duarte – Associate Editor na Nature Biomedical Engineering
  • Marisa Miraldo – Assistant Professor na Imperial College Business School
  • Tatiana Correia – Co-fundadora Native Scientist; Knowledge Transfer Manager na The Knowledge Transfer Network;

Vemo-nos numa próxima edição, mantenham-se atentos!


Com o apoio:

Resultados da Eleição dos Órgãos Sociais 17/18

Caros membros,

No dia 4 de Junho de 2017 decorreu em Edimburgo a Assembleia Geral Anual da PARSUK. Como estipulado no plano de trabalhos e em conformidade com o regulamento, foi apresentada a lista candidata aos Órgãos Sociais e realizada a votação por parte dos membros.
A lista P – única candidata – foi eleita. Os novos Órgãos Sociais são compostos por:

Direcção:

Presidente: Luís Miguel Lacerda; University College London; Número de Sócio: 1389.

Vice-Presidente: Mariana Pinto da Costa; Queen Mary University of London; Número de Sócio: 1277.

Tesoureiro: Gil Machado; University of Manchester; Número de Sócio: 474.

 

Conselho Fiscal:

Presidente: Leo de Sousa-Webb; University of Exeter; Número de Sócio: 2005.

Vogal: Márcia Costa; The Institute of Cancer Research; Número de Sócio: 657.

Vogal: Ana Catarina Pratas; University of East Anglia; Número de Sócio:1351.

 

Mesa da Assembleia Geral:

Presidente: Manuel Mateus; King’s College London; 1178.

Vice-Presidente: Flávia Mendes de Oliveira; The Institute of Cancer Research; Número de Sócio:1356.

Secretário: Maria João Cruz; Imperial College London e Instituto Superior Técnico; Número de Sócio: 1370.

 

Com os melhores cumprimentos,

Martina Fonseca, Presidente da Assembleia Geral cessante
Carla Santos, Vice-Presidente da Assembleia Geral cessante
Joana Martins, Secretário da Assembleia Geral cessante

Anúncio das listas candidatas aos órgãos sociais 17/18

Caros membros,

Vimos por este meio anunciar as listas candidatas aos órgãos sociais da PARSUK 2017/2018 :

Lista P

Direcção:

Presidente: Luís Miguel Lacerda; University College London; Número de Sócio: 1389.

Vice-Presidente: Mariana Pinto da Costa; Queen Mary University of London; Número de Sócio: 1277.

Tesoureiro: Gil Machado; University of Manchester; Número de Sócio: 474.

 

Conselho Fiscal:

Presidente: Leo de Sousa-Webb; University of Exeter; Número de Sócio: 2005.

Vogal: Márcia Costa; The Institute of Cancer Research; Número de Sócio: 657.

Vogal: Ana Catarina Pratas; University of East Anglia; Número de Sócio:1351.

 

Mesa da Assembleia Geral:

Presidente: Manuel Mateus; King’s College London; 1178.

Vice-Presidente: Flávia Mendes de Oliveira; The Institute of Cancer Research; Número de Sócio:1356.

Secretário: Maria João Cruz; Imperial College London e Instituto Superior Técnico; Número de Sócio: 1370.

 

Há uma lista candidata – Lista P – aos Órgãos Sociais.

Os detalhes sobre o processo de manifestação de interesse, candidatura e processo eleitoral podem ser consultados no Regulamento Eleitoral.

 

Com os melhores cumprimentos,

Martina Fonseca, Presidente da Assembleia Geral
Carla Santos, Vice-Presidente da Assembleia Geral
Joana Martins, Secretário da Assembleia Geral

Rúbrica ‘Futuros’ | Os sistemas nacionais de saúde em 2050

Nesta edição da  secção “Futuros”  convidamos a Dr.Marisa Miraldo, Associated Professor in Health Economics no Imperial College  para escrever sobre como pensa que serão os “Os sistemas nacionais de Saúde em 2050”.

Marisa Miraldo, Associate Professor in Health Economics, Imperial College London

O aumento da longevidade foi um dos triunfos do século XX. O grande desafio dos sistemas de saúde é assegurar que esses anos sejam vividos com um certo nível de qualidade de vida, de um modo sustentável à economia. Este desafio tem duas faces: a pressão do lado da procura e um sistema de oferta obsoleto.

Do lado da procura o desafio prende-se sobretudo com a crescente procura por cuidados de saúde que é impulsionada, principalmente, pelo envelhecimento da população e o aumento da prevalência de multi-morbilidade de doenças crónicas associadas com o estilo de vida.

Do lado da oferta o principal desafio reside na inércia na adaptação da prestação de cuidados a estas mudanças.  No contexto do envelhecimento da população e prevalência de doenças crónicas os serviços nacionais de saúde estão obsoletos. Os serviços nacionais de saúde foram historicamente criados principalmente para tratar episódios agudos de doença, centrados na prestação de cuidados hospitalares, em que o principal decisor é o medico e as suas decisões centram-se num modelo excessivamente biomédico.

Quando se fala em serviços nacionais de saúde, e até mesmo sistemas de saúde, inevitavelmente se pensa em doença e na cura da mesma. Este entendimento do papel da oferta está na base da inércia na capacidade de resposta aos desafios atuais e futuros dos sistemas de saúde. Esta inércia repercute-se no aumento da despesa em saúde. Este aumento dos custos é ainda impulsionado pelo investimento em novas terapias, tecnologias e estratégias inovadoras que se centram na cura da doença e não na prevenção da mesma. Este contexto é proporcionado pela fraca afectação de recursos num sistema de prestação de cuidados de saúde frequentemente fechado à mudança (devido aos interesses instalados) e uma estrutura de incentivos que nem sempre recompensa a criação de valor.

Neste enquadramento populacional e epidemiológico global, necessitamos de uma mudança radical de paradigma no que diz respeito à função dos sistemas e serviços nacionais de saúde. No futuro, a razão da sua existência terá que se centrar, obrigatoriamente, em manter ativamente uma população saudável, investindo sobretudo na prevenção primária e secundaria da doença. Nos Estados Unidos 50% da despesa em saúde encontra-se concentrada nos 5% dos mais doentes, e 90% nos 30% mais doentes. Estas estatísticas são comuns a outros países desenvolvidos. Esta subpopulação necessita de novos modelos de prestação de cuidados: necessitam de gestão das suas doenças crónicas, de mais e melhor prevenção secundaria.

Como a maioria das doenças crónicas advém de uma deterioração dos estilos de vida necessitamos de investir mais em prevenção primária.  Temos que investir em gestores da saúde e não só em gestores da doença. Estes gestores têm que forçosamente enquadrar-se  num modelo colaborativo entre profissionais de saúde e população e de responsabilização da população.

Embora esta visão seja consensual, os sistemas de saúde são rígidos, pesados e avessos a mudança nestas áreas. Existem dois aspetos essenciais uma mudança de paradigma para alcançar sistemas de saúde sustentáveis: inovação e liderança.

Sistemas de saúde centrados na cura (e em incentivos para o desenvolvimento de tecnologia e medicamentos centrados na cura) negligenciam o valor de inovações que prometem radicalmente transformar a prestação de cuidados de saúde (novos modelos organizacionais, care pathways, digital health, big data analytics etc.). Não existem atualmente processos formais e transparentes para fomentar a sua adoção e difusão nos sistemas de saúde. Estas inovações são essenciais para a prevenção e gestão da doença e podem servir de alavanca para a mudança de paradigma na prestação de cuidados.

Big data analytics e sistemas de informação permitem mudar radicalmente o modelo da oferta. Entramos numa nova era de medicina de precisão que desafia fundamentalmente a prestação de cuidados médicos tradicional. À medida que a genómica se torna mais sofisticada, abrem-se novas oportunidades na nossa capacidade de prever, prevenir e intervir.  Esta revolução permite uma maior compreensão não só de quem está a risco de desenvolver doenças, mas, sobretudo, abre portas para o desenvolvimento de inovação que permita mitigar esses riscos e otimizar a saúde. Um maior investimento em big data analytics e em machine learning, por exemplo, tornam possível a segmentação do risco como base da prestação de cuidados médicos. São ferramentas essenciais para a identificação dos tais 5% da população e evitar que a sua doença se degrade, através do desenvolvimento de um plano personalizado de cuidados integrados  e continuados a menor custo, com um enfoque na gestão da doença. A genómica permite ainda uma análise mais sofisticada da natureza da doença, e sobretudo uma medicina mais personalizada. Big data analytics  e melhores sistemas de informação permitem também  mudar radicalmente a forma como os sistemas de saúde operam e os seus incentivos. O investimento na recolha e articulação de dados é essencial ao desenvolvimento de métricas de valor tão essenciais  a uma gestão de recursos eficiente por parte dos prestadores e financiadores de cuidados médicos.

Finalmente, e crucialmente, big and smart data permite ainda transformar a relação entre os indivíduos e sua saúde. Na era da epigenética é essencial investir em dados  que capturem não só a doença, mas também o ambiente onde esta se desenvolve, a envolvente do individuo e o modo como ele se relaciona com o mesmo. A recolha e disponibilização de informação personalizada permite não só desenvolver melhores intervenções comportamentais, compreender o desenvolvimento da doença mas, sobretudo, promete capacitar os indivíduos para melhorar a sua própria saúde (através de uma dieta melhorada, exercício ou outras escolhas de estilo de vida). Permite ainda criar ferramentas de apoio a intervenções comportamentais (ex. através do uso de apps, gaming, etc.)  que promovam a população como agentes ativos na prevenção e gestão da doença. Estas apostas são imprescindíveis a sistemas de saúde de alto desempenho.

Por fim necessitamos de liderança para a mudança. Estas inovações não se desenvolvem nem implementam por si só. Formas inovadoras de prestação de cuidados só serão adotadas quando houver uma cultura que abrace a mudança. Se vamos ter uma mudança disruptiva, precisamos de ter campeões dessa mudança. A liderança no desenvolvimento, teste e a adoção de novos paradigmas de prestação de cuidados tem que ser nutrida, formalmente incentivada e integrada na educação formal e planos de desenvolvimento de carreira. Estes campeões e campeãs não têm uma idade nem uma profissão especificas.  Os sistemas de saúde têm que desenvolver um sistema para identificar e recompensar financeiramente as organizações e indivíduos com essa capacidade de liderança.

Questionário – Expectativas e motivações da comunidade PARSUK

A Portuguese Association of Researchers and Students in the United Kingdom (PARSUK) está neste momento a conduzir um estudo de opinião sobre as expectativas e motivações da comunidade de estudantes e investigadores que vivem e trabalham no Reino Unido ou que o fizeram no passado.

Este é um estudo exploratório que pretende estimular uma reflexão informada no seio da comunidade PARSUK sobre aquilo que nos levou a escolher o Reino Unido para  estudar e/ou trabalhar. Queremos saber de que forma as nossas expectativas iniciais foram confirmadas, superadas ou defraudadas ao longo do tempo. Queremos ainda perceber aquilo que nos levou ou poderia levar a regressar a Portugal.

Para este fim, preparamos dois questionários:

Um questionário direccionado aos membros PARSUK que vivem e trabalham no Reino Unido, que pode ser encontrado neste link.

Um questionário direccionado aos membros PARSUK que viveram e trabalharam no Reino Unido, e que tenham regressado a Portugal, que pode ser encontrado neste link.

Cada membro deve responder ao questionário correspondente com a situação actual, sendo que o tempo de preenchimento aproximado é de 5 minutos. A recolha dos dados é anónima. Para qualquer pedido de esclarecimento ou informação adicional, por favor contacte-nos pelo email geral@parsuk.pt.

A PARSUK agradece a sua participação neste estudo e agradece também a partilha pelos seus contactos pessoais dentro desta comunidade (membros efectivos ou alumni da PARSUK), sendo que o questionário estará aberto a respostas até dia 5 de Junho.

Teremos novidades em breve e esperamos ver-vos a todos no Luso 2017, que terá lugar no dia 3 de Junho em Edimburgohttps://luso2017.org

Obrigado!

Comissão Executiva da PARSUK 16/17 e Embaixadores Regionais PARSUK 16/17 (South East, South West, North West e Portugal – Alumni).

Candidaturas aos Órgãos Sociais PARSUK 2017-2018

Caros membros PARSUK,

Com a aproximação do final do ano académico 2016/2017 chega também ao fim o mandato dos actuais órgãos sociais da PARSUK. Para assegurarmos a continuidade da nossa Associação vimos encorajar todos os membros que tenham interesse em participar mais activamente no rumo e actividades da PARSUK a formarem uma lista ou a manifestarem a sua disponibilidade individual em integrar uma possível lista.

A eleição das listas candidatas aos órgãos sociais da PARSUK para o mandato de 2017/18 terá lugar na Assembleia Geral a realizar no dia 4 de Junho pelas 9h00 em Edimburgo.

A(s) lista(s) pode(m) ser formada(s) por membros efectivos e membros alumni. Cada lista deverá ser formada por 9 candidatos. As listas definitivas e respectivo programa de actividades para o ano 2017/2018 terão de ser apresentados até dia 20 de Maio de 2017 (nota: nova data!) através do email: info@parsuk.pt

A PARSUK poderá ainda assegurar o estabelecimento do contacto entre membros que não se conheçam, mas que partilhem o interesse em integrar os órgãos sociais desta associação. Para tal, podem contactar-nos individualmente ou em representação de um grupo com número de elementos ainda insuficientes através do email: info@parsuk.pt.  A data limite para a manifestação de interesse por membros individuais ou grupos com número insuficiente de elementos é dia 19 de Maio de 2017 (nota: nova data!).

O regulamento para eleição dos órgãos sociais da PARSUK pode ser encontrado aqui.

A vossa participação é fundamental para que se possa dar continuidade ao importante trabalho que a PARSUK tem vindo a desenvolver na promoção dos interesses da comunidade de estudantes e investigadores Portugueses no Reino Unido.

Com os melhores cumprimentos,

Martina Fonseca, Presidente da Assembleia Geral
Carla Santos, Vice-Presidente da Assembleia Geral
Joana Martins, Secretário da Assembleia Geral

Luso 2017 , Edimburgo | Website e inscrições abertas!

 

As inscrições para a 10.ª edição do Luso, que decorrerá este ano em Edimburgo no dia 3 de Junho, já estão abertas! Inscreve-te já em http://luso2017.org.

A inscrição inclui entrada no fórum, participação num workshop, almoço e dois coffee breaks. Estão também abertas inscrições para um jantar de convívio e tour pela cidade de Edimburgo!

A globalização, o novo paradigma político britânico e europeu, e a diplomacia científica são o mote para algumas das discussões que estamos a preparar. No contexto actual, entendemos necessário um plano imediato de acção para a diplomacia portuguesa em ciência com uma estratégia bem definida. O Luso é o palco ideal para aprofundar esta reflexão.


This year Luso’s 10th edition will take place in Edinburgh on June 3. Registration includes an entry to the forum, participation in a workshop, lunch and two coffee breaks. Register now in http://luso2017.org !

Travel Grants ’17 | Nova parceria e outras novidades!

Logo AMPM

Caros membros,

Temos o prazer de anunciar um conjunto de novidades quanto à Iniciativa PARSUK Travel Grants:

– A Associação de Mulheres com Patologia Mamária – AMPM estabeleceu uma generosa parceria com a PARSUK, que permitirá oferecer até um máximo de 2 bolsas adicionais aos melhores candidatos seriados cuja área focal de investigação seja o Cancro;

– A elegibilidade de candidatos foi estendida a pós-doutorados que tenham concluído doutoramento nos últimos 6 (seis) anos (anteriormente 3);

– Face aos desenvolvimentos acima, o prazo de candidaturas encontra-se alargado até ** 7 de Abril de 2017 ** (mantendo-se os outros prazos inalterados);

Mais informações em http://parsuk.pt/site/parsuk-travel-grants/ .

Qualquer dúvida poderá ser dirigida a geral@parsuk.pt .

Workshop PARSUK | Brexit, Portugal e o ES, Lisboa (12/04/17)

brexit_workshop

A Portuguese Association of Researchers and Students in the United Kingdom (PARSUK), através da sua embaixadora alumni na região Centro e Sul de Portugal, está a dinamizar uma manhã de discussão sobre o futuro das ligações entre Portugal e o Reino Unido ao nível de ciência e investigação pós-graduada.
Este workshop pretende pensar no estatuto de Portugal e do Reino Unido dentro da área de investigação europeia, nos desafios que se colocam no futuro próximo, e nas implicações práticas que isso possa ter para estudantes e investigadores, assim como relevantes associações e instituições nos dois países.

O evento decorrerá na Sala Polivalente do Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Lisboa, a 12 de Abril.

Programa:
09.30 Recepção
10.00-11.15 Sessão 1: Instituições e o Brexit
Cláudia Oliveira, International Funding Officer, ICS-UL, Portugal
Fátima Dias, Projects and Partnerships Manager, British Council, Portugal
11.15-11.45 Coffee Break
11.45-13.00 Sessão 2: Investigadores e o Brexit
– Andy Inch, Postdoctoral Fellow, ICS-UL, Portugal
– Raquel Ribeiro, Lecturer in Portuguese, Edinburgh, UK
– Érica Faleiro, PhD candidate at Birkbeck, London, UK; director of the UK Portuguese Film Festival

A entrada é gratuita, mas carece de pré-inscrição via Eventbrite até dia 10 de Abril.

Esperamos ver-vos em Lisboa!

Em caso de dúvidas, não hesitem em contactar a Mariana Liz, Embaixadora PARSUK Alumni 16/17, região Centro e Sul de Portugal (mariana.liz@parsuk.pt).

O Programa Embaixadores Regionais é uma iniciativa PARSUK com o apoio da Caixa Geral de Depósitos

Webinar PARSUK | Estudar e Investigar no UK (03/04/17)

webinar

A Portuguese Association of Researchers and Students in the United Kingdom (PARSUK), através dos seus embaixadores alumni em Portugal Norte e Ilhas e em colaboração com a Native Scientist, está a dinamizar um webinar sobre estudar e investigar no Reino Unido.

Se estás a terminar a tua licenciatura, o teu mestrado ou o teu doutoramento e estás a considerar ir estudar ou investigar no estrangeiro, participa neste webinar intitulado “Estudar e Investigar no Reino Unido: investigadores portugueses dão dicas e partilham a sua experiência” no dia 03 de Abril de 2017, 18h30-20h30.
São convidados três investigadores portugueses com diferentes percursos e em diferentes fases da sua carreira científica, que vão partilhar a sua experiência no Reino Unido e responder às questões que possas ter.

Para participares e receberes as instruções de acesso ao webinar, por favor regista-te até dia 27 de Março neste link: https://goo.gl/forms/LVGAak2XnIPrsKXW2

Oradores
1. Ana Silva, PhD student, Cardiff University
2. Paula Salgado, Lecturer, Newcasttle University
3. Hugo Macedo, CEO, Smart Separations Ltd

Para qualquer informação, não hesites em contactar os Embaixadores PARSUK Alumni 16/17, região Portugal Norte e Ilhas: Diana Prata (diana.prata@parsuk.pt) e Simão Rocha (simao.rocha@parsuk.pt).

Ese evento conta com a colaboração da Native Scientist, através da co-fundadora Joana Moscoso.

O Programa Embaixadores Regionais é uma iniciativa PARSUK com o apoio da Caixa Geral de Depósitos.